18 de dezembro de 2009

A estrela do Natal... O Panetone

Não gosto muito de Natal, mas se tem uma coisa que adoro é Panetone, sem Arruda é claro, pra mim Panetone poderia existiar o ano inteiro.

Lembro-me também que no final do ano a Kibon colocava nas ruas o sorvete de panetone, eu também adorava.

Gosto de comer panetone arrancando pedaços, com as mãos mesmos, é muito mais gostoso, esse negócio de cortar não tá com nada.

Não apenas na Itália, seu país de origem, como também no mundo todo, o panetone tem sidomuito consumido, e não há nenhuma família que não o teve em sua mesa pelo menos em ocasiões especiais como o Natal.

Seu típico formato lhe deu o apelido de "Doce da Catedral de Milão", cidade onde foi confeccionado pela primeira vez.

A real história do panetone, no entanto, se perdeu no tempo. E o que podemos encontrar hoje são apenas muitas lendas, nada provado. Uma delas diz que o panetone foi feito, pela primeira vez, no século III d.C. Teria a forma de um pão grande e era confeccionado com uma massa conservada pronta, modelada e depois posta para assar.

A segunda versão é de que o panetone teria sido confeccionado pela primeira vez por um certo Ughetto, no tempo de Ludovico, o mouro, na padaria Della Grazia, em Milão, e passou a se chamar no início de "Pani de Toni", nome do padeiro que o criou. No entanto, o panetone começou a ser conhecido no mundo todo a partir do ano de 300.

O pintor holandês Jan Albert Rootins (1615 - 1674) representou no centro de seu quadro "Natureza morta com frutas", um magnífico panetone.

Com o passar do tempo, na Itália, começaram a surgir nove tipos de panetones baseados em duas escolas: a primeira, descrita como um panetone redondo, com base larga, bastante baixo e achatado, comum durante a Páscoa, e a segunda, preferida pela grande indústria doce, onde o panetone é alto, com base estreita e com uma cúpula bem acentuada, comum na época do Natal.

Depois, conforme o panetone foi cada vez mais consumido em outros países, novos tipos foram surgindo, novos ingredientes acrescidos para satisfazer o paladar e os gostos.

Fonte: História da Culinária


E pra colocar mais lenha na fogueira, dedico essa receita de Panetone, aos políticos de Brasília e do Brasil todo, para que mudem o cardápio..

Panetone de Pizza

Voce vai precisar de:

Para a massa

60 gr de fermento biológico fresco
2 colheres de sopa de açúcar
3 ovos
100 gr de margarina ou manteiga - prefiro manteiga
2 dentes de alho picadinho

1cebola ralada
1 colherde sobremesa de sal
250 ml de leite
farinha de trigo suficiente para dar liga

Para o recheio de Pizza:

200 gr de presunto sem gordura picado
1 cebola picada
2 tomates picados
orégano
sal
150 gr de mussarela picada

Preparo:

Massa


Desmanche o fermento com o açúcar, junte os ovos, a margarina, o alho, a cebola, o sal e o leite.

Misture bem e vá juntando a farinha aos poucos até ficar uma massa macia, (aproximadamente 800 gr).

Deixe descansar por 40 minutos.

Recheio


Misture todos os ingredientes.

Montagem


Abra a massa em um retângulo, espalhe o recheio e modele os panetones.

Coloque na fôrma, faça piques em forma de cruz, pincele gema batida na superfície.

Deixe descansar por 30 minutos e leve ao forno para assar.



1 comentários:

Dois em Cena disse...

Essa eu vou experimentar!

Postar um comentário

Deguste!!! Fique a vontade. Mas evite comentários ofensivos, não use palavrões. Esse espaço é de alegria.